Como avaliar o valor de um site para compra e venda?

 


A compra e venda de sites prontos, assim com domínios (“sites vazios”, somente o endereço) está esquentando no mercado de língua portuguesa, tanto no Brasil quanto em Portugal.

Há tanto um maior interesse de investidores, gente que compra diversos sites para “nutri-los” e revender quando esses sites estiverem maiores e mais lucrativos, investidores que querem um grupo maior de sites para gerar renda para si mesmos (sem intenção de revenda), quanto de novos empreendedores que querem começar negócios na web, mas não possuem conhecimento ou tempo para montarem seus próprios sites.

Um dos maiores problemas tanto para compradores quanto para vendedores é como avaliar o valor do site. Do ponto de vista do vendedor, como não sub ou super estimar e cobrar o valor justo ao mesmo tempo em que se obtém um lucro que justifique a venda e do ponto de vista do comprador, como saber se o que o vendedor está pedindo realmente equivale ao valor real do site e seu investimento será justificado.

Essa pergunta não tem uma resposta certa, muito menos uma resposta fácil!

Não há critérios realmente eficientes para avaliar o valor real de um site e a maioria das técnicas de avaliação não revelam a realidade.

Tudo começa com o domínio, o endereço do site. Ele é fácil de memorizar? Fácil de digitar? Pode gerar confusão para o internauta? É muito similar ao domínio de um site ou marca famosa? Se o site está sendo vendido junto com o domínio, essas são perguntas que tanto o vendedor deve fazer ao estabelecer um preço quanto o comprador deve analisar para ver se o domínio não é uma armadilha.

Domínios que tentam imitar o endereço de um site famoso ou são muito parecidos com nomes de marcas são armadilhas em potencial. Jamais compre sites com nomes assim. As chances de sofrer um processo judicial são grandes e isso também não fica bem do ponto de vista do consumidor. Se você quer comprar um site com potencial de crescimento, você deve dar preferência para nomes que prometem uma popularidade perante o usuário, não um site que “tenta copiar” outro de forma tão óbvia.

Há diversos critérios de análise do domínio sozinho que podem inflar ou prejudicar seu preço, além do nome específico.

Page Rank (PR) é um desses fatores. Um domínio (e é o domínio que tem Page Rank, não o site) com page rank alto revela grande quantidade de links externos apontados para esse endereço. Isso é positivo em termos de SEO, ou o potencial para o site se posicionar bem nos mecanismos de busca. Esse critério também pode ser uma armadilha, porém. O PR pode ser artificialmente inflado por estratégias de link building, em que o webmaster insere links para o domínio em questão em sites que são de péssima qualidade ou nas quais estão sob seu controle, o que é considerado manipulação de SEO pelo Google e nessa última atualização em 2012 (Pinguin) já está sendo severamente penalizada.

Page Rank, no entanto, não salva um domínio “ruim”. Se você está procurando adquirir um site com domínio e pretende levar esse projeto à sério como seu próprio negócio, dê mais valor para o nome do domínio em si do que para os outros critérios como PR. Em alguns casos, vendedores inflam o PR artificialmente para vender o site e depois da venda, removem todos os links que sustentavam aquele Page Rank, levando-o para 0 ou 1.

Não há problema algum em comprar um site com PR 0 ou 1, desde que o nome seja bom. O que significa um nome bom, além de fácil de lembrar, fácil de digitar e não similar a marcas e sites já conhecidos? Outros fatores que devem ser evitados são: hífens, números e grafia incorreta. Hífens e números gritam “spam” e passam uma impressão de amadorismo. Os mecanismos de busca como o Google também pensam assim e domínios hifenados ou com números têm dificuldade para conseguir boas posições.

A grafia incorreta ocorre quando tenta-se passar por um nome “estiloso”, por exemplo: estrategica.com.br está registrado? Então que tal estrategika.com.br? Isso confunde o internauta, a não ser que sua “marca” com a grafia “estilosa” seja muito conhecida e o internauta seja capaz de se lembrar que seu site se escreve diferente da maneira ortograficamente correta.

Ainda mesmo com a ortografia correta, lembre-se de que o povo Brasileiro tem um nível relativamente baixo de educação e que a língua portuguesa é muito complicada! Evite domínios com termos que a maioria das pessoas se confunde para escrever.

É possível, no entanto, comprar sites prontos e usar um domínio próprio. Mesmo que você compre um site que já venha com domínio, se você gostar do site em si, mas o domínio não for lá essas coisas, registre o seu próprio e configure um redirecionamento permanente (301) do domínio original para o seu endereço novo. O PR do domínio (se existente) passará para o novo endereço.

COMO AVALIAR UM SITE

Fora o domínio, se você vai comprar o site pronto, a próxima etapa é a avaliação do site em si. Eu não concordo com as técnicas de avaliação clássicas existentes, mas vamos começar falando sobre outra coisa.

Se você é o comprador, você precisa primeiro definir por que está comprando um site pronto:

– É por falta de tempo para produzir o site, design, artigos, etc.?

– É por falta de conhecimento sobre como montar um site?

– É pela pressa de já comprar algo pronto e andando e começar a ter lucros mais rapidamente?

Você precisa ter isso muito claro em mente, pois as respostas devem guiá-lo na decisão de quanto é o valor justo que você deve pagar ao vendedor.

Do ponto de vista do vendedor, algumas perguntas também precisam ser feitas. Por que o site está sendo vendido?

– Você é um investidor que cria sites especificamente para vendê-los prontos?

– Você tem o site como hobbie ou negócio, mas não tem mais tempo para dedicar a ela e agora precisa vender?

As técnicas clássicas de avaliação decepcionam ao não refletirem a realidade para definição do valor real do site.

Algumas dessas técnicas constituem-se de ferramentas online que funcionam automaticamente e ao avaliarem o site retornam um valor estimado de quanto vale o site, geralmente em dólares. Essas ferramentas, no entanto, avaliam em sua maioria, estimativa de tráfego, PR e links (e menções) da mídia social e isso nem sempre reflete o real potencial do site.

Eu fiz um teste esses dias com um dos meus sites que faz em torno de R$12.000 (12 mil Reais) por mês. Esse site vende um produto e não tem propagandas de nenhum tipo (como AdSense ou programas de afiliados). As ferramentas online automáticas me retornaram valores estimados entre 500 e 1.500 dólares, o que é uma piada, não é mesmo?! Se eu fosse vender o site pelo valor da maior estimativa, eu o venderia por 1/4 do valor que o site me faz mensalmente, ou seja, seria uma burrada daquelas!

Outra forma de definir o valor é calcular entre 10 e 24 vezes o valor do faturamento mensal. Esse site que eu usei no exemplo pode com mais segurança ter um valor estimado realista com base nessa fórmula, pois é um site mais maduro, no entanto, nem todos os sites podem ser avaliados dessa forma.

Há muitos sites na web (eu até arriscaria lançar uma porncetagem aqui de uns 90%, senão mais) que estão sendo mal aproveitados, ou seja, o dono não sabe como monetizar o site, tem uma mina de outro na mão e não faz nada com ela. Vender esses sites prla multiplicação do rendimento mensal, mesmo que seja 24 vezes, ainda é burrice. Por que? Porque o site tem muito potencial, é o proprietário que não sabe fazer dinheiro com ele! O valor em si do site é muito maior do que a multiplicação de seu faturamento mensal (que pode até ser mesmo zero se o dono não souber nada sobre monetização de sites). Então, de acordo com a fórmula clássica de avaliação de sites, esse site subutilizado que não faz dinheiro nenhum acabaria sendo vendido por preço de banana e o comprador, esperto, faria uma fortuna com ele, simplesmente por saber o que fazer.

Para mim, a forma correta de avaliar o preço justo de um site depende da qualidade dos seguintes elementos:

- Nicho – qual o potencial de rendimento do nicho de mercado em que esse site está?

Nicho de mercado é a área específica em que o site está, por exemplo, emagrecimento é um nicho, animais de estimação é outro nicho, beleza feminina é outro nicho e assim por diante. Há nichos que possuem tetos muito baixos. O que isso significa? Que é muito difícil monetizar um site nesses nichos a partir de um certo ponto. Nichos muito específicos, muito restritos ou que não possuem potencial comercial caem nessa categoria. Mesmo que você não vá vender nada e pretenda colocar anúncios no site como AdSense, o nicho precisa ter potencial comercial, do contrário, não haverão anúncios relacionados ao tema para serem clicados e o Google mostrará anúncios de utilidade pública (que não pagam nada) ou anúncios que não tem nada a ver com o site e consequemente, não serão clicados, não rendendo dinheiro algum para você.

Se o nicho do site é bom, tem potencial para ser explorado, seja com anúncios ou produtos próprios (ou de afiliados), o site pode valer muito mais do que a multiplicação do seu rendimento mensal, pois o que importa é o potencial para gerar renda do comprador. O fato de que o site não faz dinheiro ou faz pouco dinheiro no momento não significa muito coisa, se é que tem qualquer relevência. Esse critério só tem relevância para investidores que querem comprar sites prontos e deixá-los em paz, sem mofificar qualquer coisa. Para esses compradores, importa mais comprar um site já rentável, já que eles não irão se dar o trabalho de otimizar o site para melhor rendimento.

- Conteúdo – qual a qualidade do conteúdo já publicado no site?

Sites feitos só para vender são um perigo! Na maioria dos casos, o conteúdo é escrito por freelancers terceirizados e tem a qualidade de redações escolares de alunos de 1º séria primária (senão piores!). Há também aqueles que copiam artigos de outros sites (nunca faça isso!) e os que usam ferramentas de tradução automática que resultam em textos “semi-legíveis” em português.

Visite o site no qual você está interessado e leia atentamente os artigos. Avalie a linguagem, a coerência, a relevância para o tema do site, a ortografia, a gramática, a pontuação e pense: se você fosse um visitante recém chegado do Google, você acharia esses artigos interessantes? Você se preocuparia em guardar o endereço do site ou se cadastrar para não perder contato?

Se você deseja comprar um site por que não tem tempo para produzir conteúdo, mas quer algo de qualidade para que você possa se beneficiar dele, leve à sério essa avaliação de conteúdo.

Se você é o vendedor e colocou horas e horas escrevendo artigos de qualidade, relevantes para o seu público e esses artigos acumularam comentários ao longo do tempo, provando a relevância do conteúdo e o interesse dos visitantes, isso é um fator que acrescenta muito valor ao seu site, independente do que os “experts” em venda de sites digam.

Se você for contratar um escritor freelancer de qualidade para produzir um conteúdo similar (e que não tenha a qualidade de um redação infatil) você iria gastar uma fortuna!

Produtos – se o site já vem com produtos à venda, o valor deve subir no mínimo 10 vezes.

Criar um produto para vender em um site, seja um e-book ou um software é algo extremamente trabalhoso e que consome tempo, atenção e oportunidades do proprietário do site. Produtos também proporcionam ao comprador em potencial uma fonte de renda segura e garantida, já que a rentalidade de anúncios é sempre volátil e não é possível comprar tráfego para sites que são monetizados somente com anúncios. Se você tem um produto, no entanto, tudo muda de figura. Anunciar nos links patrocinados no Google e do Bing, por exemplo, pode aumentar o rendimento do site em mais de 10 vezes, dependendo do volume de tráfego que o site já recebe de graça dos resultados naturais dos mecanismos de busca.

No entanto, mais uma vez, é preciso avaliar a qualidade do produto e verificar se ele não é oriundo de “pacotes” de revenda. Muitos espertinhos hoje em dia vendem pacotes com inúmeros ebooks e até mesmo softwares e scripts com direito de revenda, no entanto, esse material todo é um lixo só e o consumidor não demorará muito para perceber se você começar a vender essas porcarias.

Essa “indústria” de produtos para revenda geralmente só funciona ao renvender a licença para revenda em si, ou seja, o cabra compra o pacote com os e-books para revender, mas ele não faz isso. Ao invés disso, ele passa a revender o mesmo pacote para outros idiotas que acham que estão comprando a oportunidade da década e assim por diante.

Minha dica: jamais compre produtos com direito de revenda. Há um motivo pelo qual esses produtos são vendidos com direito de revenda por um preço tão baixo, ou ainda, são vendidos e pacotes com dezenas de e-books: eles são mal escritos, mal editados, um lixo total e no final das contas, “invendíveis”, se é que essa palavra existe! Mas você entende o que estou querendo dizer! Eles são vendidos por um preço baixo porque não valem nada mesmo! Na realidade não valem nem o preço baixo e o objetivo é tirar vantagens de gente ingênua que não sabe disso.

Se o site que você está avaliando para comprar vende um produto, compre o produto ou peça para o vendedor que lhe dê uma cópia para que você possa avaliá-la e faça o mesmo processo que fez com o conteúdo. Busque qualidade na coerência, linguagem, gramática, ortografia, pontuação. Se for um e-book, veja se está corretamente editado, se tem paginação, se tem um índice de conteúdo. se for um software, use ele, veja se ele tem bugs, veja se tem arquivos de ajuda e documentação. Mantenha em mente que seu objetivo não é procurar por perfeição, já que nenhum produto é completamente perfeito. Você pode achar alguns erros de gramática num e-book (português é uma língua dificílima) ou alguns bugs em um software – até os melhores e mais famosos softwares tem bugs!

No caso de compra de site que vende um software ou script, avalie como você será capaz de dar conta de suporte, manutenção e continuidade no desenvolvimento do software. Se você não tem condições de fazer isso, nem pode contratar um desenvolvedor para assumir o controle permanentemente, não compre um site que venda esse tipo de produto!

- Tráfego – quanto tráfego natural o site já possui

Tráfego natural é tráfego gratuito, ou seja, tráfego que o site recebe sem que você precise comprá-lo ou fazer um acordo qualquer com outro site para obtê-lo. Esse tráfego natural pode vir de diversas fontes, Google, Yahoo, Bing, UOL, Twitter, Facebook, Yahoo! Respostas, Wikipedia, enfim, existe uma infinidade de fontes que pomde enviar tráfego natural para um site. Quanto mais tráfego desse tipo um site tiver, maior será o seu valor.

Tráfego é algo que sempre pode ser construído, então se você está avaliando um site para comprar e ele tem pouco tráfego, não desanime. Isso pode ser bom, pois o vendedor terá a tendência de colocar um preço mais baixo no site, seguindo a fórmula clássica de avaliação, no entanto, uma vez em seu poder, você pode otimizar o site e aumentar o volume de tráfego natural rapidamente.

Esses quatro itens, para mim, são os mais importantes, sendo o nicho e o conteúdo, os dois pontos principais. Um nicho sem potencial e você pode comprar o site que for, você nunca fará dinheiro e um conteúdo mal escrito afastará os leitores ao invés de criar relacionamentos que ajudarão seu site a crescer.

Ainda posso citar mais um item que não é tão fácil de encontrar em sites à venda que é a base de assinantes do site. Se o site oferece uma newsletter (sejam artigos por email ou apenas notificações de artigos a serem publicados no site), essa lista vale ouro (ou melhor, platina!). Esses leitores já têm um relacionamento com o site, já o conhecem e já estão preparados para comprar produtos se você vier a lançá-los. Ao lidar com listas de e-mail, no entanto, é preciso saber o que você está fazendo! Mas esse é um assunto para outro artigo!





Imprimir Imprimir

Quem é Rodrigo Staeber
Rodrigo Staeber é webdesigner e empreendedor da web. Rodrigo se formou em design no 'Art Institute of Seattle'. Rodrigo colabora com a Editora Estratégica na manutenção e design de seus sites e mantém negócios online paralelos nas áreas de CPA e "flip" de sites.

Comentários

8 Respostas para “Como avaliar o valor de um site para compra e venda?”
  1. Rejane says:

    Olá Rodrigo,

    Muito obrigada pelas informações ! Estou interessada em adquirir um site voltado para o nicho de mães e bebês. O site em questão está fechado porque, segundo as atuais donas, o valor que recebiam não era suficiente para as tres sócias R$10.000,00 mês.
    Ao entrar no site, vejo um cadastro de diversas marcas, mas não vejo a loja virtual. Para concluir:
    Valor da marca/domínios: 22,000.00
    Valor da pessoa jurídica ativa: 2,500.00
    Acho que teria que ter um investimento para transformar o site em questão em uma loja virtual. na verdade, estão vendendo o relacionamento que têm com suas seguidoras, claro. E é nisto que elas apostam para a venda do site e os 2 anos de duração do mesmo. Há outros custos adicionais para uma pesquisa que foi feita R$ 5.516,00 , masisos posts do blog do site R$250,00 cada… mais:
    Facebook (3.680) R$3,680.00
    Twitter (2.500) R$1,250.00
    Valor total redes sociais: R$6,180.00

    Pergunto: se eu abrisse um site deste tipo, voltado para este mercado (esta era a minha idéia original até visitar o site e escrever para as proprietárias), sairia mais barato? Isso procede? Quais são as perguntas que devo fazer ?
    Agradeço muitíssimo pela sua atenção !
    grata,
    Rejane Santos

    • Rodrigo Staeber says:

      Olá Rejane,

      Eu não conheço o site, mas acho que estão pedindo demais! 250 Reais por artigo?! Se você não quiser escrever você mesma, você contrata escritores profissionais que escrevem uns 10 artigos por esse valor. Os posts do blog em si não tem muito valor financeiro e o fato de estarem cobrando um valor absurdo me diz que o resto também está inflado. Se o site faz mesmo 10 mil por mês, ele é valioso e deveria ser vendido por um preço único, já que se, por exemplo, você não comprar “as partes”, elas são facilmente recuperáveis, com exceção da lista de e-mails. Contudo, você pode montar um site assim e construir devagarinho a sua clientela de leitores e assinantes sem gastar muito. Na realidade, se você fizer tudo, você só gastaria com o registro do domínio (R$30,00 por ano) e a hospedagem (que de preferência deve ser no mínimo VPS, o que custa de 30 a 50 dólares por mês, não sei o custo no Brasil). Não há mais gasto nenhum… O curso da Fran Christy, que é divulgado aqui nesse site, é de grande valia se você não tem um bom conhecimento para começar, mas se você já tem todos os conhecimentos básicos de como montar um site, como divulgar, etc., vale mais à pena você mesma colocar a mão na massa e fazer tudo sozinha. Se você preferir comprar o site das moças, entretanto, você deve solicitar um login de visitante na conta do Analytics do site para verificar qual o tráfego que o site recebe e de onde ele vem. É possível que elas estejam comprando tráfego e nesse caso, é preciso saber o quanto elas gastam com publicidade por mês, pois um site que faz 10 mil, mas gasta 9 não vale à pena, entende?

      Abraços e boa sorte!

      Rodrigo

  2. matheus says:

    olá rodrigo tenho 16 anos tenho conhecimentos em HTML e fiz alguns sites pro meu colégio, competições de jogos …mas todos sites pequenos e sem grandes investimentos todos para amigos e conhecidos nunca cobrei por isso porem agora me fizeram uma proposta de compra uma conhecida da minha mãe ligou pedindo uma forcinha com uma loja on-line de venda de roupas eu aceitei pedi a ela as informações necessárias para a criação de uma loja virtual e criei ta pronto e ela me perguntou quanto eu estava cobrando pelo trabalho e uma assistência como segurança virtual do site e etc.. futuramente se precisasse então ai a grande questão nunca cobrei portanto nao sei por quanto vender (iria não cobrar mas a situação apertou aqui em casa) me ajuda??

    • Rodrigo Staeber says:

      Olá Matheus,

      Infelizmente, eu acredito que não possa te ajudar muito… Não moro no Brasil e não tenho ideia de quanto estão cobrando por aí para fazer uma loja online e acredito que o valor varie muito dependendo de que tipo de e-commerce o cliente quer. A criação de uma loja online vai muito além do simples HTML, então você precisa primeiro avaliar se tem condições de prestar esse serviço para a amiga da sua mãe, vendo bem que tipo de loja ela quer. Uma ideia para descobrir quanto estão cobrando pelo tipo de serviço específico que ela quer é ver primeiro todos os detalhes do projeto, depois sair pedindo orçamento em sites que oferecem esse serviço. Assim, você pode ter uma ideia de quanto os profissionais estão cobrando atualmente e pode fazer uma oferta para ela.

      Abraços,

      Rodrigo

  3. Randolph says:

    Rodrigo quero comprar um site que ja está on line (te passo o nome depois se for o caso) mas queria um avaliação real e concreta do valor de mercado, para imprimir e levar ao atual dono dele, para daí por diante negociarmos. Há algum site ou ferramenta que eu possa usar? e vc poderia fazer essa avalição? quanto custaria pra vc avalia-lo? Obrigado pela atenção e aguardo retorno.

    • Rodrigo Staeber says:

      Amigo,

      Essa coisa de avaliar site de forma “real e concreta” é mito. Tudo em matéria de venda de site e domínio é subjetivo, é muito mais uma questão de comparação entre o que há no mercado e a demanda. Eu não trabalho com isso há anos, então não sou a melhor pessoa para te ajudar nessa questão. Você conhece o site Domainer (.com.br)? É um site dedicado a compra de domínios e sites, quem sabe você encontra gente lá que está melhor informada sobre o mercado atual e pode te dar um melhor aconselhamento, contudo, é como eu disse, preço de site (e domínio) é o que a pessoa dá e o que os compradpres estão dispostos a pagar, é tudo muito subjetivo…

      Abraços,

      Rodrigo

  4. Edmilson says:

    Boa noite,
    Rodrigo achei seu post muito interessante e aprendi algumas coisas legais para aquilo que estou precisando neste momento, e preciso de uma pequena ajuda sua se possível, Eu tenho um site do seguimento de classificados gratuitos, registrei faz 5 meses e com algumas anúncios no adwords hoje estou com quase 1500 anúncios, ganho com adsense e destaques…. ainda é pouco mas já é alguma coisa… Um gigante deste setor mim sondou estes dias perguntando se eu queria vender o site/dominio e eu fiquei sem respostas até agora, porque? porque não sei falar de preços… Este site já é o 12° no top 20 google, a palavra chave serve tanto a dele como classificados grátis, tenho o facebook, o twitter, o que posso fazer para dar um preço bacana que seja justo, eu até entendo a lei da procura e da oferta mas temos que falar o correto para não espantar o comprador. criei para meu uso mas dependendo vendo já rsrs pode mim ajudar amigo?

    • Rodrigo Staeber says:

      Olá Edmilson,

      Na verdade, fica difícil te dar um conselho certeiro, pois avaliação de preços no Brasil é muito subjetiva. Vai do comprador querer pagar o preço que você está pedindo. Se é assim, então, coloque o preço lá em cima e abra para negociações, veja o quanto o comprador está disposto a pagar, negocie. Mas mantenha em mente que um site que vive basicamente de comprar tráfego no AdWords e ainda está na 12ª posição para a palavra chave que você mencionou não é um site “super bem sucedido”, entende? Pode ser que esse cara esteja tentando comprar seu site para canibalizar a competição somente, então o preço não pode ser muito alto. Visite sites de compra e venda de domínios e veja por quanto estão vendendo sites similares ao seu.

      Abraços,

      Rodrigo Staeber

Deixe seu comentário

Compartilhe sua opinião sobre esse artigo com o autor e demais leitores...

Current ye@r *